MEDIDOR DE N.A. HIDROSUPRIMENTOS

Nenhuma descrição disponível.
Publicado em Ambiente | Deixe um comentário

TECNOLOGIA NACIONAL PARA O GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS – HIDROSUPRIMENTOS

A HIDROSUPRIMENTOS é uma empresa brasileira que há 23 anos produz tecnologia nacional para aplicação em toda a cadeia de Gerenciamento de Áreas Contaminadas (G.A.C.), disponibilizando ferramentas adequadas para a atividade dos Consultores e Perfuradores Ambientais na manutenção do meio ambiente.

Conheça mais em: www.hidrosuprimentos.com.br

Publicado em Ambiente | Deixe um comentário

Substâncias poluentes mais agressivas ao ser humano

Para Organização Mundial de Saúde, mais de dois milhões de mortes a cada ano podem ser atribuídas aos efeitos da poluição.

default

“A poluição atmosférica é uma ameaça para a saúde em todo o mundo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de dois milhões de mortes prematuras a cada ano podem ser atribuídas aos efeitos da poluição do ar urbano. A queima de combustíveis fósseis e de biomassa é a fonte mais significativa de poluentes atmosféricos.

Aparelhos domésticos de combustão, veículos, instalações industriais e incêndios florestais são fontes de poluição do ar. A OMS alerta que ao reduzir os níveis de poluição do ar pode diminuir a carga global de complicações ligadas a infecções respiratórias, como doenças cardíacas e câncer de pulmão. O Top 5 desta semana foi elaborado com informações da OMS e do Indicadores do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

1. Partículas Totais em Suspensão (PTS), Fumaça e Partículas Inaláveis (PM10)

Mongolei Luftverschmutzung in Ulan Bator

Representam materiais sólidos e líquidos em suspensão na atmosfera, como poeira, pó, fuligem, fumaça. O tamanho das partículas é o critério utilizado para a classificação destes materiais. Partículas mais grossas ficam retidas no nariz e na garganta, provocam incômodo e irritação, além de deixarem o organismo mais vulnerável. Poeiras mais finas causam danos ao aparelho respiratório. Podem carregar outros poluentes para os alvéolos pulmonares, provocando doenças respiratórias, cardíacas e câncer.

2. Ozônio (O3)

Schweröl Feinstaub Schiff

O ozônio é um gás composto por três átomos de oxigênio, invisível, com cheiro marcante e altamente reativo. Na estratosfera ele ajuda a proteger a Terra da radiação solar, mas na camada mais baixa da atmosfera ele é nocivo à saúde. O ozônio é formado pela reação dos hidrocarbonetos e óxidos de nitrogênio presentes no ar, sob ação da radiação solar e é o principal representante do grupo de poluentes conhecidos como oxidantes fotoquímicos. Pode causar irritação nos olhos e redução da capacidade pulmonar, agravar doenças respiratórias, diminuir a resistência contra infecções e ser responsável por disfunções pulmonares, como a asma. De acordo com a OMS, o excesso de ozônio no ar pode ter um efeito significativo sobre a saúde humana. Na Europa, é um dos poluentes atmosféricos mais preocupantes.

3. Dióxido de Nitrogênio (NO2)

Umweltprotest in Mariupol

É formado pela reação do óxido de nitrogênio e do oxigênio reativo, presentes na atmosfera. Pode provocar irritação da mucosa do nariz e danos severos aos pulmões, semelhantes aos provocados pelo enfisema pulmonar. Além dos efeitos diretos à saúde, o NO2 também está relacionado à formação do ozônio e da chuva ácida. Há evidências de que a substância agrava doenças respiratórias pré-existentes e contribui para seu aparecimento. Os efeitos sobre a saúde incluem desconforto na respiração, agravamento de doenças respiratórias e cardiovasculares já existentes.

4. Dióxido de Enxofre (SO2)

Backsteinfelder in der Nähe von Dhaka

O SO2 é um gás incolor com odor acentuado. É produzido a partir da queima de combustíveis fósseis (carvão e petróleo) e da fundição de minérios. A emissão de dióxido de enxofre está principalmente relacionada ao uso de combustíveis de origem fóssil contendo enxofre, tanto em veículos quanto em instalações industriais. Pode provocar irritação e aumento na produção de muco, desconforto na respiração e agravamento de problemas respiratórios e cardiovasculares. O SO2 também é um dos poluentes precursores da chuva ácida, efeito global de poluição atmosférica, responsável pela deterioração de diversos materiais, acidificação de corpos d’água e destruição de florestas. Pessoas com asma, doenças crônicas de coração e pulmão são mais sensíveis ao SO2.

5. Monóxido de Carbono (CO)

Deutschland Auto Umwelt Feinstraub Auspuff

Trata-se de um gás tóxico, inodoro e incolor. A emissão de monóxido de carbono está relacionada diretamente com o processo de combustão tanto em veículos com motores movidos a gasolina, diesel ou álcool, quanto na indústria. Esse gás é classificado como um asfixiante sistêmico, pois é uma substância que prejudica a oxigenação dos tecidos. Os efeitos da exposição dos seres humanos ao CO estão associados à diminuição da capacidade de transporte de oxigênio na combinação com hemoglobina do sangue. O monóxido de carbono pode provocar intoxicação e até a morte. O risco aumenta com o tempo de exposição.”

Fonte: Deutsche Welle, disponível em
https://www.dw.com/pt-br/subst%C3%A2ncias-poluentes-mais-agressivas-ao-ser-humano/a-16878239

Publicado em Ambiente | Deixe um comentário

O GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS COMO FERRAMENTA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

Autora: Camila Oliveira da Cruz. Bióloga (UFF) e Mestre em Ecologia (UERJ, 2016)

“O gerenciamento de áreas contaminadas é definido pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB) como “um conjunto de medidas tomadas com o intuito de minimizar o risco proveniente da existência de áreas contaminadas, à população e ao meio ambiente. Essas medidas devem proporcionar os instrumentos necessários à tomada de decisão quanto às formas de intervenção mais adequadas.”

No Brasil, a primeira iniciativa no que se refere ao gerenciamento de áreas contaminadas foi o Decreto-Lei nº 1.413, de 1975, que dispõe sobre o controle da poluição do meio ambiente provocada por atividades industriais. O gerenciamento de áreas contaminadas baseia-se em uma estratégia constituída por etapas sequenciais, onde a informação obtida em cada etapa é a base para a execução da etapa posterior. Conforme a Resolução 420, de 2009, do CONAMA, o gerenciamento de áreas contaminadas compreende as etapas de identificação, diagnóstico, intervenção e monitoramento.

Um projeto de gerenciamento de área contaminada deve utilizar a avaliação de risco como base para o estabelecimento de concentrações máximas aceitáveis do contaminante com base em dados obtidos nas etapas de avaliação e investigação ambiental e premissas de quantificação do risco, com objetivo de estabelecer medidas de intervenção que visem o controle e a contenção da contaminação e redução de massa do contaminante no meio físico.

Desta forma o gerenciamento contém duas fases, onde a primeira diz respeito à identificação das áreas contaminadas, composta por quatro etapas: a definição da região de interesse, identificação de áreas potencialmente contaminadas, avaliação preliminar e investigação confirmatória. A segunda fase diz respeito à reabilitação da área que é composta pelas seguintes etapas: investigação detalhada, avaliação de risco, o plano de intervenção e monitoramento. O monitoramento faz o acompanhamento e verificação da eficácia das ações executadas. A finalização do processo de gerenciamento de áreas contaminadas é a reabilitação da área para o uso declarado ao órgão ambiental responsável.

O gerenciamento de áreas contaminadas pode ser conduzido por um órgão federal, estadual, municipal ou até mesmo privado que possua a atribuição de controlar os problemas ambientais na região de interesse. As áreas são classificadas pelo órgão competente em:

  • Área com potencial de contaminação (AP): aquela em que ocorrer atividades que, por suas características, possam acumular quantidades ou concentrações de substâncias químicas em condições de ocasionar contaminação do solo e das águas subterrâneas e acarretar danos à saúde humana e ao meio ambiente.
  • Área Suspeita de Contaminação (AS): aquela em que, mediante avaliação preliminar, for comprovada a existência de um ou mais indícios de contaminação.
  • Área contaminada sob investigação (Ai): aquela em que for comprovadamente constatada, mediante investigação confirmatória, a contaminação com concentrações de substâncias químicas no solo ou nas águas subterrâneas acima dos valores de investigação.
  • Área contaminada sob intervenção (ACI): aquela em que for constatada a presença de substâncias químicas em fase livre, ou for comprovada a existência de risco à saúde humana, após investigação detalhada e avaliação de risco.
  • Área em processo de monitoramento para Reabilitação (AMR): aquela em que for atingida a redução do risco aos níveis toleráveis, de acordo com as metas estipuladas na avaliação de risco.
  • Área Reabilitada para o uso declarado (AR): aquela em que, após período de monitoramento para reabilitação, seja confirmada a eliminação do perigo ou a redução dos riscos a níveis toleráveis para o uso declarado.”

Referências Bibliográficas:

Cartilha de Gerenciamento de área contaminadas: conceitos e informações gerais. Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – FIEMG. 76 p.

O gerenciamento de áreas contaminadas. Projeto CETESB – GTZ, 1999. 14 p.

Guia de elaboração de planos de intervenção para o gerenciamento de áreas contaminadas. (Org.) Sandra Lúcia de Moraes, Cláudia Echevenguá Teixeira, Alexandre Magno de Sousa Maximiano. São Paulo: IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo: BNDES, 2014. 396 p.

Publicado em Ambiente | Deixe um comentário

VOLUME DETERMINADO – A AMOSTRAGEM DE ÁGUA SUBTERRÂNEA COM BAILER (NBR 15.847/2010)

Modo correto de operação do Bailer

Os amostradores descartáveis (bailer) da HIDROSUPRIMENTOS são destinados à coleta de amostras de água subterrânea em poços de monitoramento de diâmetro mínimo de até 25 mm (1 polegada).

Fabricados em Polietileno de alta qualidade, são adequados às características químicas dos líquidos a serem amostrados, desde água até os mais diversos tipos de contaminantes orgânicos em fase livre ou dissolvida.

A HIDROSUPRIMENTOS mantém rígido controle de qualidade na fabricação de seus amostradores, executando rigorosos testes para garantir a qualidade de sua amostragem.

Amostradores descartáveis continuam sendo a forma mais econômica, segura, prática e rápida para purgeamento e amostragem de água subterrânea em poços de monitoramento, e o uso correto do amostrador garante a qualidade e a integridade da amostra coletada.

Todos os amostradores descartáveis são fornecidos com 2 (dois) bicos diferentes para transferir o líquido para o frasco de amostragem: 1 (um) para voláteis e 1 (um) para não-voláteis.

Publicado em Ambiente | Deixe um comentário

PRERROGATIVAS DOS PIONEIROS: “CAVALO QUE ACORDA CEDO BEBE ÁGUA LIMPA”.

Publicado em Ambiente | Deixe um comentário

HIDROSUPRIMENTOS – DESDE 1997 A VERDADEIRA PARCEIRA DO CONSULTOR E DO PERFURADOR AMBIENTAL

Publicado em Ambiente | Com a tag , , , , , , | Deixe um comentário

HS SUBSLAB – TECNOLOGIA NACIONAL PARA AMOSTRAGEM DA INTRUSÃO DE VAPORES DO SOLO

O HS SubSlab é a solução ideal para o monitoramento da intrusão de vapores, e possibilita a amostragem sob o piso de concreto de áreas construidas.

Com o HS SubSlab você poderá estabelecer diversos pontos de amostragem na mesma área, podendo ainda modificá-los de lugar caso necessário, pois são reutilizáveis e possuem uma eficiente vedação, reduzindo as possibilidades de perdas de vapores.

O HS SubSlab é um produto com baixa complexidade de instalação, bastando furadeira e duas brocas com diâmetros de 1 ½” e 5/8”, reduzindo custos da amostragem e os danos causados ao piso de concreto.

O furo para instalação é de 45 mm de profundidade, com a broca de 1 ½”. No mesmo eixo de perfuração sobreposto, é realizado um segundo furo com a broca de 5/8” até atingir o solo. Dentro do furo menor é instalado o HS-SubSlab e depois basta conectar o coletor da amostra ou detectores de gases.

O HS SubSlab também poder ser utilizado em investigações de áreas fontes de VOC e no monitoramento de vácuo em ensaios pilotos para determinação do seu raio de influência para dimensionamento dos sistemas de remediação SVE e MPE.

VANTAGENS:

  • Melhor custo-benefício;
  • Reduz a perda dos vapores;
  • Minimiza os danos causados no piso;
  • Maior confiabilidade nas análises.
http://hidrosuprimentos.com.br/hs_subslab.php

Publicado em Ambiente | Com a tag , , , , | Deixe um comentário

Vaticano publica mais de 200 ‘mandamentos’ para proteção ambiental do planeta

vaticano meio ambiente

Documento foi lançado no aniversário de 5 anos da encíclica do Papa Francisco sobre a crise climática

Por Natasha Olsen disponível em ciclovivo.com.br

“No dia 18 de junho, quinto aniversário da publicação de Laudato Si – encíclica do Papa Francisco que apela à unificação global no combate às mudanças climáticas – o Vaticano publica novas diretrizes com mais de 200 recomendações em defesa do ambiente.

O documento intitulado “Caminhando em direção ao cuidado de nosso lar comum: cinco anos depois de Laudato Si” sugere medidas práticas para conter o aquecimento global e faz alertas severos contra os perigos da degradação ambiental.

O documento convida o mundo a descarbonizar os setores energético e econômico, tornando as energias renováveis acessíveis a todos, e pede uma reforma dos subsídios aos combustíveis fósseis e tributação das emissões de CO2.

Esse é o primeiro endosso do Vaticano à campanha mundial de desinvestimento de combustíveis fósseis.

Compromisso internacional

Em maio de 2020, 42 instituições em 14 países anunciaram seu compromisso de eliminar essas fontes de energia. “O apoio ao desinvestimento é um dos grandes momentos desta campanha de uma década”, afirma Bill Mckibben, escritor, ambientalista e cofundador da ONG da 350.org.

Segundo ele, a ação “torna ainda mais claro que pessoas de boa fé simplesmente não podem tentar lucrar com a destruição do planeta.”

No ano passado, o relatório final do Sínodo da Amazônia já recomendava o desinvestimento em combustíveis fósseis, e na ocasião, o Papa Francisco emitiu a primeira declaração de todos os tempos de um pontífice sobre o tema.

Inclusão social

O texto apela também à promoção da agricultura “diversificada e sustentável” e faz uma defesa dos pequenos produtores e da necessidade urgente de promover uma educação alimentar saudável.

Há ainda um forte apelo para combater a apropriação de terras e os grandes projetos agroindustriais que poluem o ambiente, além de ameaçar a proteção da biodiversidade.

Segundo o documento, o mundo das finanças precisa visar o “primado do bem comum” e trabalhar para acabar com a pobreza.

“A pandemia de Covid-19”, diz o documento, “mostra como elementos do sistema estão sendo questionados quando reduzem o bem-estar, permitem especulações até mesmo no infortúnio e oprimem as pessoas mais pobres”.

O texto se refere especificamente aos sistemas de saúde como uma questão de “equidade e justiça social” e reafirma a importância do direito de cuidar. “À medida que as redes ecológicas são degradadas, as redes sociais também são destruídas. Nos dois casos, são os mais pobres que sofrem as consequências”, afirmam as diretrizes. 

O Vaticano sugere, ainda, avaliação criteriosa dos perigos associados à “rápida disseminação de epidemias virais e bacterianas”.

Notável e profético

“O nível de detalhe das diretrizes é notável e profético, variando de desinvestimento em combustíveis fósseis a atividades pastorais”, avalia Tomás Insua, diretor executivo do Movimento Global pelo Clima Católico. “Esperamos que este novo documento acelere ainda mais o compromisso da comunidade católica de cuidar de nosso lar comum, particularmente à luz do Ano do Si de Laudato do Papa Francisco”.”

Mais informações sobre o documento podem ser acessadas aqui.

Publicado em Ambiente | Deixe um comentário

Tríplice Responsabilidade Ambiental foi tema da webinar com participação da CETESB

“Acompanhado por mais de uma centena de interessados, o Movimento de Defesa da Advocacia (MDA) promoveu no final da tarde de 23/06, a webinar com o tema “A Tríplice Responsabilidade Ambiental”, tendo como convidados a desembargadora e profa. Consuelo Yoshida, o juiz Rafael Tocantins Maltez, o mestre em Direito Penal e conselheiro do MDA Fábio Tofic Simantob e, da área ambiental, a diretora-presidente da CETESB, Patrícia Iglecias, com mediação de Eduardo Salusse, presidente da entidade e moderação de Rodrigo Jorge Moraes, seu vice-presidente.

O MDA é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída em 2003, com o propósito de valorizar a advocacia. A tríplice responsabilidade está prevista na Constituição Federal, dando conta de que os infratores ambientais podem ser punidos, de forma independente, nas esferas administrativa, cível e penal.

Patrícia Iglecias foi convidada a expor sobre a responsabilidade administrativa e o programa CETESB de Portas Abertas. A dirigente disse que um dos desafios da Companhia, hoje com cerca de 1.700 funcionários e 46 agências ambientais, é atender à grande demanda de trabalho. Para exemplificar, informou que em 2019 a CETESB atendeu aproximadamente 60 mil pedidos de licenciamento.

Explicou que anteriormente havia uma demanda represada e que foi promovida uma reestruturação interna, que resultou na redução dos prazos dos processos de licenciamento, sendo que de 56 dias em média, em 2019, para a análise dos pedidos, essa média caiu para 31 dias, em 2020.

Com o CETESB de Portas Abertas, os empreendedores receberam toda a orientação, o que também contribuiu para o encurtamento do período de análise dos processos ambientais, agora bem mais rápidos.

Quanto à responsabilidade administrativa e a visão da Companhia, a presidente esclareceu que essa responsabilidade se baseia em critério de pessoalidade. Citou como exemplo casos no Superior Tribunal de Justiça, nos quais não se aferiu se houve dolo ou culpa dos infratores, mas, sim, julgando a pessoalidade do infrator. Conforme complementou, a CETESB se baseia no Princípio de Intranscendência das penas, em que somente o infrator, e mais ninguém, poderá responder pelo fato praticado.

Finalmente, lembrou que a Companhia estabeleceu recentemente novo regulamento dos seus processos sancionatórios. De forma inédita, a CETESB trouxe a normatização do fluxo dos processos administrativos decorrentes dos Autos de Infração de Advertência, Multa, Multa Diária e Embargos. Esse novo fluxo foi aprovado em 29/05 último pela Diretoria Plena (Decisão de Diretoria de nº 55/2020/P), padronizando a tramitação das autuações.”

Fonte: cetesb.sp.gov.br

Publicado em Ambiente | Deixe um comentário